Visita de Estudo a Lagos e Sagres em 18 de Junho de 2008

História e Geografia de Portugal
5º Ano

Plano da Visita:

Ÿ 8. 15 h – Concentração em Moncarapacho
Ÿ 8. 30 h – Partida
Ÿ 9. 30 h – Visita à “Caravela Boa Esperança”
Ÿ 11. 30 h – Visita ao Forte da Bandeira de Lagos
Ÿ 12. 45 h – Almoço (farnel pelos alunos)
Ÿ 14. 00 h – Partida para Sagres
Ÿ 15. 00 h – Visita à Fortaleza de Sagres
Ÿ 16. 00 h – Regresso para Moncarapacho
17. 30 h – Chegada prevista a Moncarapacho

Locais a visitar:

Lagos
Segundo a história mais recente, Lagos foi conquistada definitivamente aos mouros no ano de 1249 por D. Paio Peres Correia, sendo o ano de 1266 apontado como a data em que Lagos recebeu o primeiro foral, atribuído por D. Afonso III.
No entanto, foi no reinado de Afonso IV que Lagos se afirmou, precisamente com a reconstrução das muralhas da praça e com a vinda para a cidade do governo militar do Algarve.
A 5 de Janeiro de 1361, no reinado de D. Pedro I, Lagos passa a Vila e Concelho com jurisdição própria. Até esta data estava sob o comando do Bispo de Silves que o havia recebido por doação do rei de Castela.
Lagos, revela-se com bastante importância, em 1415, no reinado de D. João I, em virtude dos Descobrimentos Portugueses.


A Caravela Boa Esperança
A caravela Boa Esperança distingue-se pelo seu aspecto quase tosco, mas a sua aparência não passa disso mesmo, aparência. A caravela prepara-se para chegar ao Brasil no ano 2000 seguindo a rota de Pedro Álvares Cabral.A Boa Esperança é a réplica de uma caravela quinhentista portuguesa - daquelas com que o reino desbravou os caminhos dos oceanos, naquele que foi talvez o mais duradouro projecto português: os descobrimentos.

O Forte da Bandeira
Também conhecido como Forte do Pau da Bandeira, fica localizado junto à ribeira de Bensafrim e ao mar, é uma construção de carácter defensivo (século XVII), com fosso e ponte levadiça.
O pequeno areal onde foi construído assistiu às primeiras vendas de escravos, na época em que os portugueses iniciavam as grandes aventuras além-mar sob a orientação do infante Dom Henrique. Hoje, este espaço é utilizado para as celebrações de uma das festas mais tradicionais de Lagos: o Banho 29. Considerado como purificador, em tempos idos a população do concelho deslocava-se como podia para tomar banho de mar à meia-noite no dia 29 de Agosto.
Sagres
Em 1573, por ordem de D. Sebastião, surgem os primeiros baluartes na Fortaleza de Sagres. Dispostos nos extremos da muralha henriquina, protegiam a porta de entrada através do cruzamento de fogo entre si. Mais tarde, durante o reinado de Filipe I de Portugal (1581-1598), o monarca teria mandado construir uma torre sobre a barbacã henriquina, sob a qual se processava a entrada na Fortaleza através de um túnel que ligava a porta de entrada ao interior do recinto. No topo desta torre, ou Torreão Central, encontrava-se uma plataforma devidamente preparada para a colocação de peças de fogo, aumentando o poder defensivo da Fortaleza de Sagres. Todavia, o traçado da muralha permanecia inalterável, pelo que, apesar destas alterações, continuava ainda a ser uma fortificação de transição.
Fortaleza de Sagres
A Fortaleza de Sagres insere-se na categoria de fortaleza marítima. Mas, não é a sua localização junto da linha de costa que lhe confere esse carácter de Fortificação Marítima, mas o fim a que se destina, ou seja, toda uma estratégia voltada para a defesa da linha de costa e controlo da navegação.
O Promontório de Sagres situa-se numa óptima posição estratégica uma vez que, para além de guardar e proteger duas enseadas que constituem excelentes ancoradouros e pontos de desembarque, revela-se como um óptimo ponto de observação e controlo da navegação costeira entre o Mediterrâneo e o Atlântico.
Devemos considerar o importante peso estratégico que esta região possuía, uma vez que era ponto de passagem, praticamente obrigatória, para as embarcações, comerciais ou não, que faziam a ligação entre o Mediterrâneo e o Atlântico Norte, para além da sua proximidade com o Norte de África e das vantagens que daí poderia resultar para o projecto expansionista português nessa região e que havia começado com a conquista de Ceuta.
Assim se explica o interesse do Infante pela região de Sagres, bem como a sua iniciativa de aí fundar uma vila fortificada que permitisse o apoio e defesa à navegação, à qual deu o nome de Vila do Infante.
Boa Aventura

1 comentário:

Nana disse...

Olá Professora!
Sou Educadora na CVP em Moncarapacho e andava por aqui a navegar quando descobri a FIFI ENCANTADA. O meu grupo, os meninos do MAR são fãs da FIFI e ja na próxima sexta vamos à casa da Fifi ouvir a história da Menina do Mar. Andamos ansiosos!!!! Mas como disse somos a Sala do MAR e andamos a tentar visitar a caravela em Sagres, e veio mesmo a calhar ter descoerto o seu blog! Será que me pode dar os contactos??
Obrigada e bom trabalho